GRUPO DE CIDADANIA EMPRESARIAL


Desenvolvimento de programas socio-educativos.

Entre em contato e torne-se um parceiro do Grupo.

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Inscreva-se para receber nossas informações e novidades.

Sob quatro rodas

Fernanda Silva, especial para o Cidadania

Tendo o Fusca como símbolo, grupo propõem café da manhã e atividades a moradores de rua de São Paulo

Fotos: Divulgação
Foto: Divulgação
Nos eventos anuais, diversos serviços e atividades são oferecidos

Sob quatro rodas, o fusca se fez paixão nacional. Do carro da classe baixa, até o luxo para os colecionadores, o veículo se tornou um símbolo brasileiro, conquistando uma legião de aficionados. “Todo mundo tem uma história com fusca. O rico e o pobre — Com ele, as coisas se misturam”, destaca Marcus Lima, fundador da ONG Fusca do Bem, que viu seu carro o mover em direção aos anseios dos outros.

Em 2014, junto a amigos colecionadores, descobriu sonhos de crianças em situação de vulnerabilidade social e os realizou. De lá para cá, entendeu as proporções que suas iniciativas podiam tomar e foi convidado a realizar feitos maiores. A primeira ligação internacional veio do The Street Store. O objetivo era transformar a rua em um local em que o morador dela poderia “ter liberdade de escolha”, como conta Marcus. O grupo não só abraçou a causa como a ampliou. “Hoje, o intuito é proporcionar a quem não tem acesso a isso, a experiência de ir ao shopping. Com o projeto, eles podem escolher o que querem comer, vestir, e ainda têm a oportunidade ir ao cabelereiro e ao barbeiro”, destaca Marcus. “Tudo de forma gratuita”.

Foto: Divulgação
Os moradores de rua têm a possibilidade de escolher quais peças querem vestir

Marcus estima que mais de cinco mil pessoas já foram beneficiadas pelo projeto. A ideia deles, entretanto, não é mudar o mundo. “A vida de uma pessoa nessa condição tem esperança e direitos ausentes. Queremos resgatar isso”, destaca. “Não vou resolver tudo, mas se eu puder dar mais uma chance e experiência de dignidade para essa pessoa, já é um passo”, ressalta.

Para fazer as iniciativas, a ONG não recolhe dinheiro dos doares. “Recebemos apenas o material e recurso que precisamos”, explica o fundador. Com ações anuais, em 2017, banhos, serviços com assistentes sociais, e até tratamentos com dentistas foram oferecidos. Além do grande projeto, ações mensais são feitas para fomentar os voluntários.

Foto: Divulgação
Símbolo do grupo, os fuscas acompanham as ações da ONG

Café da manhã beneficente

Dono de um fusca 74, Marcelo Calderon sempre foi apaixonado pelo carro — e agarrou a oportunidade de fazer algo positivo tendo o veículo como gancho. Professor da odontologia, ele engaja seus alunos em prol da causa e também conta com apoio de outros colegas para ampliar as ações do Fusca do Bem. “Estou tentando envolver o máximo de pessoas boas”, conta Marcelo.

Dentro de seu fusquinha, mensalmente, ele ajuda a organizar cafés da manhã em regiões vulneráveis de São Paulo. “Era maio, tempo de frio. Paramos em uma favela na Penha para distribuir alguns produtos e perguntaram se tínhamos alimentos para doar”, lembra. “Não tínhamos. Vimos as crianças comendo pasta de dente e decidimos, a partir daí, que queríamos fazer um café da manhã”, ressalta Marcelo, que afirma ser uma pessoa mais altruísta depois das ações. “Sou diferente porque passei a me importar um pouco mais com os outros”, finaliza.

Foto: Divulgação
Uma variedade de peças é oferecida para escolha dos beneficiados